Em Dia com a Saúde

Déficit de Atenção tem tratamento

O boletim da escola chega e as notas baixas predominam. A observação da professora é de que o estudante vive no mundo da lua.

Déficit de atenção tem tratamentoMais tarde, o adolescente deve ler os livros indicados para o vestibular. As obras literárias com centenas de páginas tornam-se martírio. O jovem simplesmente não consegue entender o conteúdo. Ao chegar à fase adulta, os compromissos são esquecidos e uma palestra torna-se difícil de ser acompanhada. Seja por ansiedade, estresse, falta de interesse na atividade ou preocupação, algumas vezes a capacidade de concentração fica enfraquecida.

Também pudera: concentrar-se é um processo complexo.

Para começar, a pessoa precisa sentir interesse pelo assunto, estar motivada e ter competência para compreender o tema. Ainda é preciso que o locutor tenha clareza e habilidade para transmitir a ideia. O ambiente também deve colaborar: nada pode desviar a atenção.

A complexidade está também nos caminhos percorridos no cérebro. Segundo o dr. Saul Cypel, neuropediatra do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) e autor do livro A Criança com Déficit de Atenção e Hiperatividade (Lemos Editorial), o sistema de atenção tem estruturas localizadas em diversas partes do cérebro como, por exemplo, as regiões occipitais e parietais perceptuais, nas quais são percebidas as informações visual e auditiva respectivamente, para depois serem assimiladas nas regiões frontais cerebrais. “É um mecanismo complexo, no qual existem redes de comunicação que funcionam por meio dos neurotransmissores e permitem que a informação transite”, resume.

Ao longo da vida

Várias causas atingem a concentração das crianças. Desde uma tendência genética, associada à educação que recebeu em casa; a falta de limites, estabelecimento de regras e disciplina, favorece a agitação do pequeno em querer desenvolver diversas atividades ao mesmo tempo. Os pais, algumas vezes, percebem que o filho sofre com o problema, frustrando as expectativas por não fazer determinada atividade da forma esperada.

Especialistas alertam que não se deve esperar que um bebê desenvolva tarefas adequadas às idades mais avançadas, como assistir a um filme. Uma boa forma para saber se realmente há dificuldade é fazer brincadeiras para a faixa etária e ver como a criança se comporta, respeitando as limitações próprias de cada um.

Normalmente, os pais notam com mais frequência a dificuldade de concentração quando a criança está em idade escolar. Não só pelas notas, mas também pelas atitudes em classe, relatadas pela professora. “Ela tem a mesma capacidade ou até mais do que uma criança sem a dificuldade. Entretanto, seu rendimento compromete essa capacidade. Ela não consegue acompanhar a seqüência de informações, sendo que uma depende da outra; isso resulta em uma série de lacunas no aprendizado”, explica o dr. Abram Topczewski, neuropediatra do HIAE e autor do livro Hiperatividade: Como lidar? (Casa do Psicólogo).

Como identificar

O mais indicado a fazer quando há suspeita desse problema é procurar um médico bem preparado. Um profissional que entenda a questão e tenha uma visão ampla do assunto: psiquiatra ou neuropediatra, por exemplo. “O tratamento não adequado pode prejudicar o desenvolvimento da criança”, explica o dr. Abram.

Os tratamentos podem ser:

  • Terapêuticos: dependendo do grau de dificuldade, o médico pode aconselhar medicamentos que ajudem o cérebro a processar essa concentração.
  • De ajuste familiar: “deve-se mostrar e incentivar a organização e disciplina, ter acompanhamento escolar e ambiente adequado dentro de casa”, afirma a dra. Sônia Teresa Akopian, médica fisiatra do HIAE.

Hiperatividade

Basta a criança ser mais agitada e desobediente para receber o rótulo de hiperativa. De fato, o diagnóstico da doença se banalizou. O Déficit de Atenção e Hiperatividade existe e afeta mais meninos que meninas. Impulsividade e dificuldade de concentração são características dos pequenos. Eles mexem em tudo, correm para lá e para cá, querem toda a atenção. O diagnóstico é realizado por meio do atendimento clínico. Para tratar, deve-se procurar médicos especializados no assunto.

Para Sandra Valle, neuropsicóloga infantil do HIAE, a hiperatividade precisa ser tratada como um todo. Medicamentos devem ficar a critério do médico e estratégias para melhorar o comportamento são sempre bem-vindas. "Na escola, os professores podem fazer da hiperatividade e da agitação uma aliada, por exemplo, pedindo à criança queos auxiliem na organização dos materiais a serem utilizados, a buscar um livro na sala dos professores.

Deve-se estabelecer uma parceria com a criança e criar condições positivas deintegração ao grupo e ao contexto de aprendizagem, deixando claro as expectativas e, sempre que possível, ajudá-la a desenvolver recursos para resolver os problemas. Isso favorecerá enormemente a sua auto-estima e potencial de crescimento."

Publicada em junho/2007

Atualizada em novembro/2009

Precisa agendar? Clique aqui para encontrar um médico

Publicado em  


Compartilhe

Deixe um comentário

* *
* Caracteres restantes: 500
* Campos Obrigatórios

Aviso: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio deste sistema não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal ou da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert Einstein. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Israelita Albert Einstein reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários que apresentarem dados clínicos ou pessoais dos autores, visando garantir a privacidade destas informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de email) também poderão ser excluídos.